Venda de veículos reaquece após ‘paradeira’ na pandemia

Aumento da procura dos consumidores tem levado à falta de alguns modelos

Data: 29-10-2020
Fonte: JCNet
Autor: Tisa Moraes

Depois de amargar meses difíceis no início da pandemia, o segmento de automóveis novos e seminovos vem reagindo positivamente com a reabertura das lojas e voltou a registrar alta nas vendas em Bauru. A maior procura dos consumidores, contudo, tem levado à falta de alguns modelos no mercado, já que as montadoras ainda estão em processo de retomada do ritmo de produção.

De acordo com representantes do setor ouvidos pela reportagem, a retomada é verificada mesmo em um cenário de dólar alto, que elevou os preços dos veículos zero quilômetro, já que as principais matérias-primas utilizadas na fabricação, como o aço, são importadas. E os preços dos veículos seminovos também registraram alta, motivada pelo crescimento da demanda.

Por outro lado, contudo, a queda histórica da taxa básica de juros, a Selic, criou um contexto favorável à aquisição de carros por meio de financiamento. “Para seminovos, a taxa chega a 0,63% ao mês, dependendo do valor de entrada e prazo de pagamento”, pontua Antônio Piovezan Junior, proprietário do Extra Veículos.

ATRATIVOS

Os empresários relatam melhora progressiva nas vendas em relação aos meses de março e abril, quando as lojas permaneceram fechadas. Porém, os resultados dos últimos quatro meses, que foram os mais expressivos, ainda são aproximadamente 20% menores do que os alcançados no mesmo período do ano passado.

“Existia, no Brasil, uma expectativa de vendas de 3 milhões de veículos novos em 2020 e iremos fechar o ano na casa de 2 milhões. Então, para contornar este cenário, algumas montadoras têm oferecido planos mais flexíveis e atrativos para a aquisição de veículos zero. Além disso, os bancos também estão mais maleáveis na concessão de crédito”, observa Rodrigo Biondi, diretor operacional da Amantini Veículos.

Ele acrescenta, ainda, que as marcas têm se reinventado neste momento e passaram a oferecer a possibilidade, por exemplo, de o consumidor efetivar toda a compra de maneira online, com entrega do veículo em casa.

Os representantes do setor apontam que o aumento das vendas de veículos zero é reflexo imediato da demanda represada durante os primeiros meses de pandemia. Já o aquecimento do segmento de seminovos teve a contribuição de uma parcela da população que ficou receosa em continuar recorrendo ao transporte público ou por aplicativos, que demanda o compartilhamento de espaços com pessoas desconhecidas, para se deslocar.

REPOSIÇÃO

Presidente da Associação dos Lojistas do Shopping Autofest, Vifrano Macário Gazoli aponta que, com a reabertura das lojas, houve um ‘boom’ na venda de seminovos e, agora, a maioria das lojas está com estoque baixo. E, como a produção de veículos novos não foi plenamente retomada, a reposição deste estoque – que só ocorre quando um consumidor vende seu veículo usado para comprar um zero – ainda segue deficitária.

“Com isso, os seminovos estão sendo vendidos um pouco acima dos preços da tabela Fipe. A gente acredita que, a partir do mês de dezembro, começaremos a entrar em uma situação de maior normalidade”, acrescenta.

Gerente de vendas da Simão Veículos, Carlos Eduardo Dainesi pontua, contudo, que o cliente que desejar um modelo específico de carro zero quilômetro que está em falta não ficará sem o produto. “Até maio foi bem difícil. Depois, as montadoras começaram a retomar as atividades de forma gradual e agora estão neste processo de ajuste para atender a demanda. Hoje, conseguimos entregar a linha toda no prazo de 15 a 30 dias”, completa.

ARTIGOS​

NOTÍCIAS DO MERCADO