varejo-farmaceutico[1]

Varejo farmacêutico brasileiro é um dos menos concentrados na América

Data: 23-03-2020
Autoria: Imprensa Mercado & Consumo
Fonte: Mercado & Consumo

Com índice de 32%, o varejo farmacêutico brasileiro é um dos menos concentrados do setor na América. A conclusão está em um levantamento da IQVIA, que envolveu 16 países do continente. O estudo comparou o faturamento das cinco maiores redes de farmácia de cada nação frente ao total nacional de vendas de cada mercado.

O Brasil ocupa apenas a 13ª colocação no ranking, bem abaixo da líder Honduras (86%) e dos Estados Unidos, onde CVS Health; Walgreens Boots Alliance, Walmart, Rite Aid e Kroger detêm 81% de market share. Chile (72%), Canadá (71%) e Colômbia (52%) completam o top five. Nossos vizinhos Paraguai e Uruguai registram, respectivamente, percentuais de 33% e 31%, enquanto a Argentina sequer aparece na lista.

De acordo com a Abrafarma, as cinco líderes do varejo brasileiro e que totalizam 1/3 do mercado são Raia Drogasil; DPSP, Farmácias Pague Menos, Farmácias São João e Panvel. Embora reflita a lógica de distribuição do PIB por município, esse cenário indica que a concentração tende a acelerar cada vez mais nos próximos anos. É o que aponta Fernando Ferreira, especialista em gestão comercial de empresas do canal farma.

“Apesar de representarem 10% do total de farmácias do país, as grandes redes somam quase a metade do faturamento do setor e atuam em apenas 830 municípios”, diz Ferreira.

Para o consultor, com a provável saturação de pontos de venda nos grandes centros urbanos, as cidades médias e pequenas já estão no radar do grande varejo.

“Aos poucos, as varejistas líderes vão avançar cada vez mais nesses mercados. Com essa dinâmica, lojas independentes com faturamento de até R$ 100 mil terão de reinventar seu modelo de negócio, podendo se tornar minicentros de distribuição”, argumenta.

notícias varejo

Artigos

Notícias do Mercado