Os lançamentos no Brasil incluem softwares e imagens via satélite das áreas de cultivo
noticias_1498499218[1]

Syngenta escolhe Brasil para lançar novas ferramentas digitais para o agronegócio

Data:
Autoria:
Fonte:

A empresa suíça de sementes e defensivos agrícolas Syngenta escolheu o Brasil como local para lançar uma gama de serviços digitais para o setor que, segundo a companhia, tornarão os agricultores do país ainda mais competitivos, disse um executivo à Reuters.

Por causa das medidas de isolamento social, consultores agrícolas e de distribuidores de pesticidas não puderam circular em áreas de cultivo, o que torna essencial o uso da tecnologia na checagem das condições das lavouras, disse o diretor de Informações e serviços Digitais da Syngenta, Greg Meyers.

Os lançamentos no Brasil incluem softwares e imagens via satélite das áreas de cultivo, afirmou ele.

As ferramentas tecnológicas podem melhorar a produtividade, reduzir custos e promover a agricultura sustentável no maior produtor e exportador de soja do mundo.

O Brasil foi escolhido para o lançamento após a Syngenta adquirir em 2018 a “agtech” Strider, que já trabalhava com 2.500 agricultores na América Latina.

“Nosso foco não é tentar vender softwares. O foco é em como usar melhor os produtos que já vendemos”, comentou ele.

Ao final do ano a plataforma digital estará disponível nos Estados Unidos, Rússia e Ucrânia, segundo a empresa.

A Syngenta, pertencente à chinesa ChemChina, já responde pelo monitoramento de cerca de 4,5 milhões de hectares no Brasil. A empresa afirma que em um ano pode dobrar o número de clientes monitorados no país.

Globalmente, agricultores utilizam tecnologias da Syngenta para monitorar 32 milhões de hectares, mas isso representa apenas uma fração do potencial de mercado, disse Meyers.

A alemã Bayer, um concorrente direto, afirma que responde por 36,4 milhões de hectares no mundo, utilizando tecnologia digital.

Área de crescimento-chave, a agricultura digital se tornou ainda mais importante durante a pandemia de Covid-19, segundo o executivo.

Em maio, houve um aumento de 400% no uso de produtos da Syngenta como fotos de satélites para o monitoramento das condições agrícolas no Brasil.

“A Covid, na verdade, criou uma oportunidade para produtores que talvez não estivessem confortáveis com tecnologia da informação, mas estão começando a usá-la porque precisam”, disse Meyers.

Os lançamentos no Brasil incluem softwares e imagens via satélite das áreas de cultivo noticias_1498499218[1]

Syngenta escolhe Brasil para lançar novas ferramentas digitais para o agronegócio

Data: Autoria: Fonte:

A empresa suíça de sementes e defensivos agrícolas Syngenta escolheu o Brasil como local para lançar uma gama de serviços digitais para o setor que, segundo a companhia, tornarão os agricultores do país ainda mais competitivos, disse um executivo à Reuters.

Por causa das medidas de isolamento social, consultores agrícolas e de distribuidores de pesticidas não puderam circular em áreas de cultivo, o que torna essencial o uso da tecnologia na checagem das condições das lavouras, disse o diretor de Informações e serviços Digitais da Syngenta, Greg Meyers.

Os lançamentos no Brasil incluem softwares e imagens via satélite das áreas de cultivo, afirmou ele.

As ferramentas tecnológicas podem melhorar a produtividade, reduzir custos e promover a agricultura sustentável no maior produtor e exportador de soja do mundo.

O Brasil foi escolhido para o lançamento após a Syngenta adquirir em 2018 a “agtech” Strider, que já trabalhava com 2.500 agricultores na América Latina.

“Nosso foco não é tentar vender softwares. O foco é em como usar melhor os produtos que já vendemos”, comentou ele.

Ao final do ano a plataforma digital estará disponível nos Estados Unidos, Rússia e Ucrânia, segundo a empresa.

A Syngenta, pertencente à chinesa ChemChina, já responde pelo monitoramento de cerca de 4,5 milhões de hectares no Brasil. A empresa afirma que em um ano pode dobrar o número de clientes monitorados no país.

Globalmente, agricultores utilizam tecnologias da Syngenta para monitorar 32 milhões de hectares, mas isso representa apenas uma fração do potencial de mercado, disse Meyers.

A alemã Bayer, um concorrente direto, afirma que responde por 36,4 milhões de hectares no mundo, utilizando tecnologia digital.

Área de crescimento-chave, a agricultura digital se tornou ainda mais importante durante a pandemia de Covid-19, segundo o executivo.

Em maio, houve um aumento de 400% no uso de produtos da Syngenta como fotos de satélites para o monitoramento das condições agrícolas no Brasil.

“A Covid, na verdade, criou uma oportunidade para produtores que talvez não estivessem confortáveis com tecnologia da informação, mas estão começando a usá-la porque precisam”, disse Meyers.

[su_post field="post_excerpt"] noticias_1498499218[1] [xyz-ips snippet="Post-Title"]Data: [su_meta key="data"]Autoria: [su_meta key="jornalista"]Fonte: [su_meta key="fonte"]

A empresa suíça de sementes e defensivos agrícolas Syngenta escolheu o Brasil como local para lançar uma gama de serviços digitais para o setor que, segundo a companhia, tornarão os agricultores do país ainda mais competitivos, disse um executivo à Reuters.

Por causa das medidas de isolamento social, consultores agrícolas e de distribuidores de pesticidas não puderam circular em áreas de cultivo, o que torna essencial o uso da tecnologia na checagem das condições das lavouras, disse o diretor de Informações e serviços Digitais da Syngenta, Greg Meyers.

Os lançamentos no Brasil incluem softwares e imagens via satélite das áreas de cultivo, afirmou ele.

As ferramentas tecnológicas podem melhorar a produtividade, reduzir custos e promover a agricultura sustentável no maior produtor e exportador de soja do mundo.

O Brasil foi escolhido para o lançamento após a Syngenta adquirir em 2018 a “agtech” Strider, que já trabalhava com 2.500 agricultores na América Latina.

“Nosso foco não é tentar vender softwares. O foco é em como usar melhor os produtos que já vendemos”, comentou ele.

Ao final do ano a plataforma digital estará disponível nos Estados Unidos, Rússia e Ucrânia, segundo a empresa.

A Syngenta, pertencente à chinesa ChemChina, já responde pelo monitoramento de cerca de 4,5 milhões de hectares no Brasil. A empresa afirma que em um ano pode dobrar o número de clientes monitorados no país.

Globalmente, agricultores utilizam tecnologias da Syngenta para monitorar 32 milhões de hectares, mas isso representa apenas uma fração do potencial de mercado, disse Meyers.

A alemã Bayer, um concorrente direto, afirma que responde por 36,4 milhões de hectares no mundo, utilizando tecnologia digital.

Área de crescimento-chave, a agricultura digital se tornou ainda mais importante durante a pandemia de Covid-19, segundo o executivo.

Em maio, houve um aumento de 400% no uso de produtos da Syngenta como fotos de satélites para o monitoramento das condições agrícolas no Brasil.

“A Covid, na verdade, criou uma oportunidade para produtores que talvez não estivessem confortáveis com tecnologia da informação, mas estão começando a usá-la porque precisam”, disse Meyers.

[su_post field="post_content"]

notícias agronegócio

Artigos

Notícias do Mercado

notícias agronegócio

Artigos

Notícias do Mercado

notícias agronegócio

Artigos

Notícias do Mercado