Apesar do atraso no plantio e alguma necessidade de replantio, safra de soja avança em boas condições na maior parte do país.

f35d34a93d34800357dfbdf1e76e6786[1]

Lavouras de soja têm excelentes condições no PR, MS e MT, mas safra ainda não está consolidada

Data: 20-12-2019
Postado por: Nivaldo Forastieri
Fonte: Notícias Agrícolas

Até o momento, a situação está favorável para os sojicultores do norte do Paraná, norte de Mato Grosso do Sul e oeste de Mato Grosso mas a safra não está consolidada ainda, aguardando as próximas chuvas para encher os grãos. Nivaldo Forastieri, que é consultor em agronegócio e produtor rural em Itambé, no Paraná, tem familiares sojicultores no Mato Grosso do Sul, na região de Sonora, e em Mato Grosso, em Campo Novo do Parecis, contou ao Notícias Agrícolas o que viu nas áreas de soja e o que deve ocorrer nestas regiões nos próximos meses.

Ele conta que em novembro visitou as propriedades da família nestes locais, além de plantações de soja no oeste da Bahia, e relata que as áreas visitadas tiveram problemas no plantio, devido ao atraso nas chuvas.

Especificamente sobre a região de Itambé, ele afirma que a escassez de chuva no início da safra ajudou ao menos a afastar o risco de doenças fúngicas, mas que agora, com as chuvas masi regulares no estado, é preciso que o produtor fique atento às pulverizações, já que existem casos de ferrugem detectados no Paraná.

As chuvas regulares nesta época estão contribuindo para as lavouras, em estágio de enchimento de grão, que devem ser colhidos em 10 de fevereiro. “Tem tudo para ser uma boa safra, mas ainda temos que aguardar o mês de janeiro todo para ver como será o desempenho. A expectativa inicial é de 70 a 75 sacas por hectare”, explica.

De acordo com Forastieri, o plantio em Itambé atrasou entre 15 e 20 dias por causa da escassez de chuva. “No começo ficamos muito preocupados porque as chuvas não ocorreram, houve produtores que plantaram no pó. Outubro e primeira semana de novembro choveu a conta gota”, afirma.

O atraso no plantio da soja deve atrasar a safra do milho, diferente do que houve na safra passada, com o milho sendo colhido em janeiro.Um início mto preocupante.

Em Mato Grosso, na região de Campo Novo do Parecis, Forastieri conta que a situação do início de plantio da soja foi semelhante à vista no Paraná. As lavouras estão em boas condições, dentro da janela correta, na fase de enchimento de grão. “O que muda é o ciclo. Em Campo Novo vi soja de 90/100 dias, significa que eles vão colher dentro da janela ideal para o plantio do milho”.

A expectativa para a área em Mato grosso é que a colheita da soja seja realizada na segunda quinzena de janeiro, com perspectiva de 60 a 65 sacas por hectare.

Já em Mato Grosso do Sul, na região de Sonora, teve alguns casos de replantio de soja, segundo ele, e a safra está um pouco mais atrasada que Mato Grosso e Paraná. “A lavoura lá está na fase mais vegetativa, fase de crescimento, de flor, e a previsão de colheita deles é para a segunda quinzena de fevereiro, talvez esticando para março. A situação está regularizada agora, chovendo melhor, mas as chuvas não são parelhas. Precisa ser bem distribuída a chuva, que é o mais importante”, afirma.

— “Em sonora ainda é muito cedo para falar em produtividade, temos boas lavouras, mas as chuvas não podem parar. Para eles, a chuva em janeiro é ainda mais importante”.

No oeste da Bahia, mais especificamente na região de Luís Eduardo Magalhães, a situação é mais preocupante, porque em novembro cerca de metade da parea de soja já havia sido plantada, mesmo com a falta de chuva, e muitos produtores já estavam se preparando para o replantio. “Porém, quando voltei para o Paraná, foi uma semana que deu uma chuva geral, e como eles têm capacidade de plantio grande, devem ter acelerado o plantio, mas hoje não tenho informações atualizadas”, afirma.

notícias agronegócio

Artigos

Notícias do Mercado