Análise é do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP

exportações[1]

Agronegócio tem potencial para ampliar exportações brasileiras à Liga Árabe

Data: 18-03-2020
Autoria: Redação Portal DBO
Fonte: Portal DBO

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, apontou em novo estudo o grande potencial que o Brasil tem para ampliar exportações brasileiras à Liga Árabe. Segundo a pesquisa, o principal produto para esse fortalecimento dos embarques é a carne. O texto faz parte do Estudo de Segurança Alimentar no Mundo Árabe – Potencial do Agronegócio Brasileiro, feito em parceria com a Câmara de Comércio Árabe Brasileira. A Esalq é a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo.

O texto destaca que a balança comercial brasileira com os países da Liga Árabe se mantém superavitária desde 2009. Entre 1997 e 2019, as exportações brasileiras para esses países cresceram, em média, 8,8% ao ano, ao passo que as importações evoluíram em menor ritmo, 5,1% ao ano. Os principais produtos exportados pelo Brasil no ano passado foram açúcar, carne de frango, miúdos e pedaços de carne de frango congelada, minério de ferro, milho e carne bovina desossada refrigerada e congelada, que representaram cerca de 70% da pauta.

Para Rodrigo Damasceno, pesquisador de políticas agropecuárias do Cepea, que participou do estudo, uma das estratégias para elevar esse comércio é se atentar à agregação de valor. “No caso da carne, não só congelar e exportar, mas ter algum grau de industrialização para agregar valor ao produto. Além disso, este mercado tem outros requisitos que pode até ter um efeito de transbordamento para outras nações, que não só as árabes”, explicou Damasceno, sobre as oportunidades no mercado halal.

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, apontou em novo estudo o grande potencial que o Brasil tem para ampliar exportações brasileiras à Liga Árabe. Segundo a pesquisa, o principal produto para esse fortalecimento dos embarques é a carne. O texto faz parte do Estudo de Segurança Alimentar no Mundo Árabe – Potencial do Agronegócio Brasileiro, feito em parceria com a Câmara de Comércio Árabe Brasileira. A Esalq é a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo.

O texto destaca que a balança comercial brasileira com os países da Liga Árabe se mantém superavitária desde 2009. Entre 1997 e 2019, as exportações brasileiras para esses países cresceram, em média, 8,8% ao ano, ao passo que as importações evoluíram em menor ritmo, 5,1% ao ano. Os principais produtos exportados pelo Brasil no ano passado foram açúcar, carne de frango, miúdos e pedaços de carne de frango congelada, minério de ferro, milho e carne bovina desossada refrigerada e congelada, que representaram cerca de 70% da pauta.

Para Rodrigo Damasceno, pesquisador de políticas agropecuárias do Cepea, que participou do estudo, uma das estratégias para elevar esse comércio é se atentar à agregação de valor. “No caso da carne, não só congelar e exportar, mas ter algum grau de industrialização para agregar valor ao produto. Além disso, este mercado tem outros requisitos que pode até ter um efeito de transbordamento para outras nações, que não só as árabes”, explicou Damasceno, sobre as oportunidades no mercado halal.

notícias agronegócio

Artigos

Notícias do Mercado